Cuiabá (MT), terça, 19 de fevereiro de 2019
Turma do Epa
Quinta, 09 de junho de 2011, 13h24

PCHs geram prejuízos para a sociedade de MT

Estado exporta energia e produtos agropecuários in natura. Deixa de agregar valor aos seus produtos e arca com o prejuízo ambiental
Amanda Alves

 

As 154 Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) de Mato Grosso contribuem com apenas 1% para o atendimento da demanda por energia no Brasil e são reconhecidamente dispensáveis para a matriz energética. Quem avalia é o doutor em energia pela Universidade de São Paulo (USP), Dorival Gonçalves Júnior, e até mesmo o ministro do setor, Edison Lobão, em recente entrevista à televisão. Por outro lado, a bacia do Alto Paraguai, um conjunto de rios com a responsabilidade de manter o ciclo natural do bioma Pantanal, sofreu considerável alteração.

A raridade na captura de peixes e diminuição da variedade de organismos vivos nas baías de Chacororé e Siá Mariana, no Pantanal, é confirmada pelos moradores locais, por exemplo. No rio Cuiabá, a Usina de Manso diminui a vazão de água para estes ecossistemas de 1,2 mil metros cúbicos por segundo para 200 metros cúbicos por segundo. O empreendimento retém a água na bacia de drenagem para armazenar para o período de seca e altera o ciclo natural das águas.

Somente em uma extensão de 80 quilômetros do rio Jauru existem 6 PCHs em funcionamento. Dorival diz que essa sequência de empreendimentos em um curso de água essencial para a Bacia do Alto Paraguai, ocasiona grandes impactos, que não foram analisados à época do licenciamento.

No rio Prata, 3 PCHs construídas em “cascata” também comprometem a vazão das águas. A PCH São Lourenço acarreta grande prejuízo a cerca de 2 quilômetros de extensão do rio. Somente no rio Juba, 4 PCHs estão em construção e no rio vizinho, o Seputuba, mais 3 estão sob análise.

A isenção de apresentação do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) e Estudo de Impacto Ambiental para empreendimentos superiores à capacidade de 10 megawatts, que foi instituída em 2000 por meio de lei estadual, deixa o ambiente e a sociedade sujeitas ao prejuízo. Em Mato Grosso a legislação só cobra o EIA/RIMA para empreendimentos com capacidade de geração superiores a 30 MW. 

A resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) prevê a obrigatoriedade da apresentação destes documentos durante o processo de licenciamento. “A rigor, o Estado está acima da lei federal e estes conflitos de legislação viabilizam os empreendimentos”.

Apesar de não terem representatividade na matriz energética, o engenheiro eletricista diz que há grande rendimento aos proprietários. As PCHs Rondonópolis e José Gelásio, por exemplo, já passaram por até 4 donos diferentes. Hoje, sob propriedade da Tractebel, são utilizadas para compensar carbono. Para os organismos internacionais elas são consideradas como empreendimentos de “energia limpa”.

Dorival diz que as usinas servem como objeto para a empresa entrar no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), em que há compensação de carbonos emitidos à atmosfera. A Tractebel faz queima de carvão na Europa e consegue pagar pela emissão por meio das PCHs. Um negócio fantástico para quem é proprietário, embora colabore para a degradação do Pantanal.

Os municípios e o estado de Mato Grosso ficam apenas com o passivo ambiental causado pelos empreendimentos. As PCHs foram dispensadas do pagamento dos royalties às prefeituras. A energia é disponibilizada no sistema elétrico nacional e pode ser consumida em qualquer ponto do território. O ICMS é recolhido em favor do estado consumidor.

Chega a ser paradoxal a situação em que se encontra o Mato Grosso. É grande produtor e exportador de commodities (produtos agropecuários e energia). Sai tudo in natura, sem agregar valor. O estado fica com o prejuízo ambiental (solo, ar e águas), com empregos de baixa qualidade e com a má distribuição da riqueza, resultado de um modelo econômico que serve apenas a uma dúzia de potentados que embolsam sozinhos os lucros e socializam os prejuízos com toda a população.

 

 

 

 

 


 matérias relacionadas
Segunda, 17 de outubro de 2011
09:11
Chapeu setor elétrico
Governo estudo solução para imbróglio das concessões
Em 2015, 67 usinas hidrelétricas terão suas concessões expiradas, o que representa 18,2 mil megawatts, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Entre 2016 e 2035 vencem as concessões de 47 hidrelétricas
Quarta, 03 de agosto de 2011
18:14
MP requer anulação de Eia/Rima da Usina de Sinop
Laudos emitidos por professores da UFMT apontaram uma série de vícios nos estudos que embasaram o projeto da UHE
Quarta, 13 de julho de 2011
13:08
Chapeu Usina em brasnorte
Agricultor detona PCH e acusa Amaggi de sonegação
Pessoal da Sema e do Incra não compareceu à CPI para acareação com produtor rural que acusa órgãos de omissão
Quinta, 30 de junho de 2011
13:45
Chapeu veto popular
Licenças de quatro PCHs podem ser canceladas
CPI vai levar ao Plenário da AL proposta contra licença dada pelo Consema para empreendimentos no município de Juscimeira
Quarta, 29 de junho de 2011
13:07
Chapeu Freio na farra
Juscimeira se mobiliza contra instalação de PCHs
Moradores da cidade criaram movimento "Salve a Cachoeira do Prata" e prometem recorrer ao MP para pedir abertura de ação civil pública contra 4 novas usinas previstas para o município
Segunda, 27 de junho de 2011
13:27
PCHs deveriam oferecer energia mais barata
Falta de um plano estadual de energia impede impede o planejamento do setor e um melhor aproveitamento do potencial hídrico
Quarta, 08 de junho de 2011
Segunda, 06 de junho de 2011
18:54
Chapeu Fim da farra?
Relator da CPI quer proibir hidrelétricas no Pantanal
Projeto anula todos os processos de concessão em andamento nos órgãos de licenciamento do estado
03:41
Chapeu PCHs
CPI vai buscar processos na Sema
A decisão foi motivada por causa das inúmeras falhas nas cópias de documentos solicitados
Quinta, 02 de junho de 2011

 leia também
Terça, 20 de novembro de 2018
22:44
Chapeu política
Mandetta compara contratos do Mais Médicos a convênio entre Cuba e PT
Mandetta disse que vai conversar com o atual ministro da Saúde, Gilberto Occhi, sobre a reposição das cerca de 8,5 mil vagas abertas com a saída dos profissionais cubanos.
22:40
Chapeu política
Segunda Turma do STF desarquiva inquérito sobre Aécio Neves
O senador foi acusado de participar em irregularidades em Furnas
22:38
Chapeu futebol
Brasil encerra o ano com vitória sobre Camarões por 1 a 0
Uma dor na virilha tirou o atacante Neymar da última partida do Brasil em 2018.
22:31
Chapeu política
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
O juiz federal Sergio Moro, que assumirá o Ministério da Justiça,confirmou os nomes dos delegados Maurício Valeixo para a direção-geral da Polícia Federal e Érika Marena para o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica (DRCI).
22:29
Chapeu política
Foco da Petrobras deve ser exploração do pré-sal, diz Castello Branco
Castello Branco esteve reunido na manhã de hoje (20) com a equipe de transição do novo governo
22:25
Chapeu política
Bolsonaro anuncia permanência de Wagner Rosário na CGU
Wagner Rosário está no cargo desde maio do ano passado quando, na época, assumiu interinamente a pasta substituindo Torquato Jardim.
22:13
Chapeu política
Guedes confirma criação de Secretaria de Privatizações
Guedes não forneceu detalhes sobre a Secretaria de Privatizações, vinculada diretamente ao Ministério da Economia.
Segunda, 05 de novembro de 2018
07:36
Chapeu CORECON
A valorização do economista como meta
As eleições contemplaram a chapa cuja meta é valorizar o economista
00:03
Chapeu enem
Enem aborda direitos humanos, racismo e manipulação na internet
No primeiro domingo do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), foram aplicadas as provas de linguagem, ciências humanas e redação.
Domingo, 04 de novembro de 2018
23:51
Chapeu política
Em mensagem nas redes sociais, Bolsonaro diz "estamos no mesmo barco"
Às vésperas de se reunir com autoridades federais em Brasília, o presidente eleito Jair Bolsonaro apelou hoje (4) para a unidade no país.

+ ver todas as matérias
Eparre

 Choro


As eleições passaram e, como é natural, os derrotados entram no período de catarse, para depois, de forma racional avaliarem os erros e se reciclarem para as próximas eleições sem perder de vista que a democracia é a alternância do poder.

 Ranger de dentes


As disputas, em todos os níveis, adotaram um tom francamente belicista e com uma novidade: a profusão de Fake News (mentiras) difundidas pelas redes sociais, em especial pelo aplicativo whatszapp, numa escala inédito e com características de uma autêntica "guerra híbrida". Há muita maracutaia camuflada e que ainda pode aflorar embora nessa área de TI, os Tribunais Eleitorais e o próprio TSE se revelaram totalmente despreparados para impedir a propagação de notícias falsas.

 Papo furado


O ministro Fux, que ocupou a presidência do TSE, fez muita viagem, inclusive pela Europa, acenando com as consequências das "Fake News" com possibilidade, inclusive, de anular uma eleição. É mais uma das muitas fanfarronices do ministro conhecido por "peruqueiro" já que usa o complementa para dar trato à silhueta com uma vasta cabeleira e acentuado topete. Algo tão falso quanto as suas próprias opiniões no estilo "biruta de aeroporto".

 Deu no que deu


Confrontos inúteis, falhas amadoras nas relações com a imponente casta do funcionalismo público, foram o pano de fundo para a derrota de Pedro Taques que sequer conseguiu levar a eleição para um segundo turno, mesmo com a pretensão de Wellington Fagundes. Se existe algo mais conservador do que o "tucanato", a rejeição ao governador de saída merece toda a culpa. O eleitor não aprovou a sua gestão.

 Esperanças e...a espera


A candidatura de Mauro Mendes, tanto quanto a de Jayme Campos, era fava contada. A sua gestão à frente da Prefeitura e o fato de ter evitado uma candidatura a reeleição para não reproduzir a "trajetória Wilson Santos" foram decisivas para o afastamento, nem tão afastado, da pretensão de Mauro Mendes chegar ao governo do Estado lastreado no prestígio de sua passagem pela Prefeitura da capital, construído, em grande parcela pelo desmedido apoio do governador Pedro Taques à sua gestão. Méritos próprios, sim, mas com um apoio inegável do governador apeado.

 Corecon, nova fase


Evaldo Silva, um dos líderes da Chapa 2 - "Valorizando o Economista", conseguiu traduzir de forma simbólica o esforço que, ao lado de colegas de ofício, pretende imprimir à gestão, a valorização profissional, resgatando a garra dos antigos associados, representados na homenagem que lhes foi prestada nas figuras do professor Fernando Avalia e da economista Agda Salceco, ainda militante aos 76 anos de idade. Um gesto respeitoso e bastante simbólico.

Eparre

Terça, 25 de setembro de 2018
Jurandir
Tá difícil escolher um candidato a governador. Tirante os desconhecidos, só safados.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Luiz Roberto
Acho que o pau vai torar no segundo turno. O MM se não ganhar no primeiro não leva depois. Pode anotar. Quanto ao Corecon é mais uma das brigas como as do CRECI, CREA, CRA, CRM...Se é prestação gratuita de serviços é de estranhar tamanha generosidade. Algum benefício tem. Mesmo indireto, mas tem. Prestígio, por exemplo. Vale mais que dinheiro.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Manoel Fernandes
Acho que o Corecon ganhou mais organização e seriedade. Sempre há uma ovelha manca em todo rebanho, mas, essa se machucou sozinha.

Domingo, 23 de setembro de 2018
Edvaldo
Entra conselho e sai conselho, Sindicados e Conselhos Regionais continuam na mesma. Um grupo que entra não quer sair e o que sai sempre quer voltar. Deve ser bom, né?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
10 coisas que você não deve fazer num velório!
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados